segunda-feira, 30 de junho de 2014

Adeus e Obrigado Senhor Orlando: O último jardineiro do Jardim Botânico?


Este é o Senhor Orlando Rua Sequeira, Jardineiro do Jardim Botânico de Lisboa. Hoje foi o seu último dia de trabalho porque amanhã será o seu primeiro dia enquanto Reformado. O Senhor Orlando, nascido no ano de 1952 em Fonte Arcada no concelho de Sernancelhe, veio para Lisboa em 1973 à procura de trabalho na construção civil. Mas a 1 de Abril de 1978 iniciou funções como jardineiro no Instituto Câmara Pestana. E em Outubro de 2009 entrou nos quadros do nosso Jardim Botânico onde nos habituámos a vê-lo na Classe. 

Desde criança que gosta de plantas e foi logo na Escola Primária que se iniciou no cultivo de rosas e outras flores.

Mas hoje, dia 30 de Junho de 2014, realizou a sua última tarefa: aparou o buxo que dá forma aos canteiros da Classe. Com a partida deste último jardineiro encerramos um ciclo de vida do Jardim que no passado chegou a contar com mais de 3 dezenas de jardineiros. 

Agora a manutenção e conservação do Jardim Botânico será ainda mais difícil e vulnerável, reduzida que está a meia dúzia de funcionários, por tempo muito limitado, do Centro de Emprego. Que futuro para um jardim classificado Monumento Nacional sem jardineiros?

Adeus e Obrigado Senhor Orlando!

Esclarecimentos: AGE de 5 de Julho de 2014‏

No seguimento da Convocatória da Assembleia Geral Extraordinária que terá lugar no próximo dia 5 de Julho às 14H00, no Anfiteatro de Botânica Professor Aurélio Quintanilha, e que tem como "ponto único" - Alteração de denominação da LAJB", a direcção da LAJB vem prestar os seguintes esclarecimentos:

1 - Na Assembleia Geral Extraordinária realizada a 15.12.2012 resultou a aprovação da alteração da denominação e objecto da Associação. Estas alterações exigem a aprovação e emissão de certificado de admissibilidade por parte do Registo Nacional de Pessoas Colectivas ( RNPC ). Como estarão lembrados, foi votada nessa Assembleia a alteração de denominação da LAJB para  -  Liga dos Amigos do Jardim Botânico da Universidade de Lisboa, abreviadamente LAJB-UL (Alteração aprovada pela acta nº. 13 de 15.12.2012).

2 - Em sequência foi enviado ao Sr. Reitor da Universidade de Lisboa, Professor Dr. António Cruz Serra, o pedido de autorização da alteração da mesma da mesma, que veio indeferido.      

3 - Fomos então informados pela nossa advogada que face à recusa por parte da UL "a LAJB terá de levar ao conhecimento dos seus associados este facto. Esse conhecimento terá de ser em assembleia geral convocada para o efeito. Os associados terão de decidir se a denominação da LAJB se mantém inalterada procedendo-se à alteração do seu objecto ou se deliberam nova alteração de denominação. Todas as alterações aos estatutos aprovadas que incluíram a designação de LAJB – UL, ficam sem efeito."   

Saudações botânicas    

A Direcção da LAJB

segunda-feira, 23 de junho de 2014

LAJB: Assembleia Geral Extraordinária a 5 Julho


















CONVOCATÓRIA: Convocam-se os Associados da Liga dos Amigos do Jardim Botânico para uma Assembleia Geral Extraordinária, conforme os Artigos 8º., 9º. Ponto 2 e parágrafo  único, 10º. alínea b) e 12º., que terá lugar no próximo dia 5 de Julho às 14H00, no Anfiteatro de Botânica Professor Aurélio Quintanilha, na Rua da Escola Politécnica, nº.58, em Lisboa. Não se verificando a condição do Artigo 9º. Ponto 1, a Assembleia  realizar-se-á 1 hora depois com o número de Associados presentes.

ORDEM DE TRABALHOS  
Ponto único - Alteração de denominação da LAJB  

Lisboa, 20 de Junho de 2014  
A Presidente da Direcção  
Maria Manuela Soares Correia  Associada nº.149  

Notas:  1 – No sentido de privilegiarmos a utilização dos transportes públicos indicamos os seguintes meios: Metro – linha amarela – estação Rato; Carris – carreiras nº 758 e 773.  
2 - A fim de actualizarmos a nossa base de dados, agradecemos que nos seja indicado o endereço electrónico dos associados que o possuírem.

Foto: Iochroma coccineum Scheidw em floração (na Classe)

Fachada do Teatro Nacional de D. Maria II

O Teatro Nacional de D. Maria II sempre soube dar o exemplo de boa integração de telas de divulgação das suas actividades na fachada do imóvel classificado. As telas tiram partido das linhas de composição da fachada, não obliterando elementos arquitectónicos. A presença das telas é pacífica. Também não há lugar a prefuração das paredes do imóvel - as estruturas de suporte das telas são perfeitamente reversivéis e inócuas ao monumento. 

sábado, 21 de junho de 2014

Voluntariado no Jardim Botânico: 29 Junho,10H

Estimada/o associada/o                                                             
A Direcção da Liga dos Amigos do Jardim Botânico tem o prazer de informar que se realizará uma acção de voluntariado, com vista à manutenção do Jardim Botânico, através  da oferta de um dia de trabalho voluntário dos associados da Liga dos Amigos do Jardim Botânico.
Saudações botânicas    
A DIRECÇÃO da LAJB

VOLUNTARIADO NO JARDIM BOTÂNICO   
DATA: 29 de Junho - 10 HORAS ( DOMINGO )  
PONTO DE ENCONTRO - Junto à Ficus macrophylla  
ORGANIZAÇÃO: Liga dos Amigos do Jardim Botânico (LAJB)  
INSCRIÇÃO: Limitada a 10 participantes.  

A LAJB vai ajudar na manutenção do Jardim Botânico através da oferta de um dia de trabalho voluntário. Os associados deverão trazer roupa e calçado confortáveis, chapéu/boné e luvas de jardinagem. Quem quiser poderá trazer tesoura de poda.

Foto: Voluntariado da LAJB no dia 30 de Junho  de 2013

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Petição contra construção de estacionamento subterrâneo na Praça do Príncipe Real
















«...Os abaixo assinados, moradores na zona do Príncipe Real, e demais cidadãos preocupados com a defesa e a preservação do património histórico, cultural e ambiental da cidade de Lisboa, alarmados pela notícia repentina e inquietante da retoma do projecto de construção de estacionamento subterrâneo no Jardim do Príncipe Real; Manifestam o seu repúdio pela construção de todo e qualquer parque de estacionamento subterrâneo na Praça do Príncipe Real, e apelam à Senhora Presidente da Assembleia da República, ao Senhor Presidente da CML, à Senhora Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, ao Senhor Secretário de Estado da Cultura e aos Senhores Deputados da AR e da AML para que ARQUIVEM DEFINITIVAMENTE tal pretensão do promotor...»

http://www.gopetition.com/petitions/peti%C3%A7%C3%A3o-contra-a-constru%C3%A7%C3%A3o-do-parque-de-estacionamento-subterr%C3%A2neo-na-pra%C3%A7a-do-pr%C3%ADncipe-real.html

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Homenagem da LAJB a Alexandra Escudeiro


















Video da homenagem em Memória de Alexandra Escudeiro‏ que a LAJB organizou no passado dia 3 de Junho de 2014. Este vídeo foi feito pelo nosso amigo e associado Pedro Mil-Homens: 

https://www.youtube.com/watch?v=GNdwEvHMS2c&feature=youtu.be

Foto: Alexandra Escudeiro no Watch Day no Jardim Botânico a 13 de Outubro de 2012

O Jardim Botânico visto do Castelo

Lisboa vista do Castelo de São Jorge no início da década de 70 do século passado. Fotografia de Horácio de Novais (Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa). No canto superior esquerdo podemos observar a mancha verde do nosso Jardim Botânico e a Avenida da Liberdade ainda sem as demolições e o aumento de cérceas que se seguiu durante as décadas de 80 e 90 do século XX.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

«Cultura manda retirar telas da fachada do Museu de História Natural»

















Dois anos depois de serem montadas ilegalmente, as telas que cobrem a frente do edifício foram objecto de uma ordem de remoção.

A Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) determinou, no fim de Abril, a remoção das megatelas informativas que foram montadas há dois anos na fachada do Museu Nacional de História Natural e Ciência, na Rua da Escola Politécnica, em Lisboa. A direcção do museu confirma que foi notificada, mas diz que “está a tratar do assunto junto das entidades competentes”.

Instaladas em Maio de 2012, as duas telas, com 18 metros de comprimento por dez de altura cada uma, foram colocadas em cima de um estrutura metálica tubular de grandes dimensões que, por sua vez, foi fixada às paredes do museu (antiga Faculdade de Ciências). A iniciativa — justificada com a necessidade de dar projecção às actividades do museu — suscitou polémica na altura, tanto mais que a Direcção Regional de Cultura tinha emitido seis meses antes um parecer desfavorável à sua concretização.

Para lá das dimensões das telas, a montar na frente de um edifício que estava em vias de classificação (no ano passado, foi classificado como monumento de interesse público), o parecer criticava o facto de elas serem “salientes relativamente ao plano” da fachada principal, provocando “um forte impacto visual sobre o núcleo museológico”. Nessa altura, porém, não foi ordenada a sua retirada, sendo criado um grupo de trabalho conjunto, entre a Direcção Regional de Cultura, o Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico e a Universidade de Lisboa, com o objectivo de corrigir a situação e encontrar uma solução compatível com a salvaguarda dos valores patrimoniais em presença.

A criação daquele grupo de trabalho foi decidida pelo director-geral do Património Cultural logo em Maio de 2012, o qual considerou que as telas se manteriam com carácter provisório até ser encontrada uma alternativa. O provisório, porém, prolongou-se até hoje, não havendo referência na informação técnica que agora levou à ordem de remoção a qualquer reunião ou decisão daquele grupo de trabalho.

No final do ano passado, a DGPC questionou a Câmara de Lisboa sobre se as telas tinham sido objecto de alguma licença camarária, tendo a autarquia respondido que, naquele caso concreto, a instalação estava isenta de licenciamento municipal.  Face às queixas chegadas à DGPC sobre o facto de tudo continuar na mesma, o subdirector-geral, João Carlos Santos, ordenou no dia 22 de Abril a remoção das telas e das estruturas metálicas, devendo ser reposta a fachada no estado em que se encontrava anteriormente.  

A informação que deu origem ao despacho do subdirector-geral sugere que seja encontrada uma outra solução com menor impacto visual, “mantendo-se, contudo, a possibilidade de se publicitar a actividade e eventos culturais do museu, de uma forma digna, bem visível ao público, eventualmente através de pendões de dupla face, menos agressivos para o imóvel classificado”.  

Contactado pelo PÚBLICO, o director do museu, José Pedro Sousa Dias, confirmou que já conhecia a posição da DGPC. “O museu cumprirá necessariamente a lei, mas estamos a tratar do assunto junto das entidades competentes”, afirmou.  

Sousa Dias acrescentou que há “um grupo de trabalho conjunto com a DGPC por causa da zona de protecção [em que o museu se insere] e que a questão das telas é uma das que aí estão a ser tratadas”. Quanto à data de retirada das polémicas estruturas, o director do museu nada disse.

PÚBLICO, 5 de Junho de 2014 por JOSÉ ANTÓNIO CEREJO

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Fachada do Museu da Fundação Wellcome Collection, Londres (Novembro de 2012)


















Fachada do Museu da Fundação Wellcome Collection, Londres (Novembro 2012). Um bom exemplo de como publicitar um museu e as suas exposições sem agredir, nem entrar em conflito com a Arquitectura de um imóvel com valor patrimonial elevado e classificado como bem cultural de interesse público ou nacional. Os edifícios têm sítios naturais, lógicos para instalação de dispositivos de publicidade. Os dispositivos de publicidade não devem retirar protagonismo à Arquitectura classificada.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Fachada do Museu Nacional de História Natural e da Ciência em Lisboa

















Imagem de 4 de Junho de 2012 - faz hoje 2 anos que se instalaram as estruturas metálicas para suporte de 2 telões que iriam tapar a maior parte da fachada do MNHNC. Este imóvel está classificadao como Monumento de Interesse Público. 















Imagem de um dos corpos da fachada principal a 18 de Junho de 2012 já com os trabalhos concluídos (2 níveis de 6 vãos cada obstruídos pela colocação de telas 3D).

Fachada do Museu Nacional de História Natural e da Ciência: 4 de Junho de 2012

Imagem de 4 de Junho de 2012 - faz hoje 2 anos que se instalaram as estruturas metálicas para suporte de 2 telões que iriam tapar a maior parte da fachada do MNHNC. Este imóvel está classificadao como Monumento de Interesse Público.