segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

«No healthy city is complete without trees»















BANGKOK: battle to save the 'big trees'
No healthy city is complete without trees. Planting lots of large trees in urban areas can benefit not only the environment but also the people. That was the main reason behind the launch of the “Urban Tree Care” project.
 
A collaboration between Chulalongkorn University’s faculty of architecture, Somdet Chaopraya Institute of Psychiatry, PTT Plc and Big Trees Project Group, Urban Tree Care is designed to educate urbanites about the knowledge and skills needed to take care of big trees in their urban areas.
 
The first course, which started yesterday, was pitched at managers and high-ranking officials whose work relates to big trees in the city, with the aim of enhancing the beauty of the cityscape.  After campaigning to raise public awareness about the priceless value of big trees in the city for the past four years, Oraya Sutabutr, from Big Trees Project Group, said the group has received many complaints about tree felling in many areas.
 
Trees are also cut down to a smaller size instead of being trimmed, while others that are decades-old are felled completely for business purposes, she said.  “The complaints reflect the fact that city dwellers are now more active in tree conservation. That encouraged us to work together to come up with a project that can give them knowledge and important skills to take care of big trees in the city,” Ms Oraya said, adding that the skills people learn from the training can even lead to a new occupation such as arborist, which is new to Thai people.
 
After lengthy discussions, a plan was formed. Chulalongkorn University’s faculty of architecture would be responsible for developing a training programme; Big Trees Project Group would coordinate the parties concerned; Somdet Chaopraya Institute of Psychiatry would provide the room for the training programme, while PTT Plc agreed to be the sponsor.
 
Topics of discussion in the programme include the life of big trees, the unique characteristics and benefits of urban forestry; basic tools for gardening and tree maintenance; possible dangers posed by big trees as well as how to handle dead trees. Course attendees also learn how to trim branches and deal with root problems, how to maintain big trees on a construction site, how to assess the value of trees and manage tree maintenance.
 
The programme typically takes 150 hours and includes coursework and a workshop.  A field trip is also an important requirement to complete the programme. Taradon Tunduan, an experienced arborist and guest speaker for the programme, said there are two main problems with big trees in urban environments — the tree itself and the effects of the tree on the city’s environment.  He has been working with big city trees for many years. Mr Taradon said Thais lack knowledge of big trees. There are only a few people working in this field. “Many don’t realise that some trees are sick and need special care,” he said.  He cited the failure to recognise the importance of big trees in the city. When a big tree branches out and gets entangled in electrical wires, the first choice is to keep the wires and cut the tree.
 
Often they are cut short rather than being trimmed, he added. Trimming a tree makes it pleasing to the eye while helping to reduce possible dangers.  However, some trees can be too big and may cause structural damage when dried branches fall on houses, cars and roads during a heavy storm, he warned.  Mr Taradon, who has more than two decades of experience, said officers at the Bangkok Metropolitan Administration (BMA) and the Treasury Department and staff at real estate companies don’t fully understand the concept of “big trees in the city”.
 
“When the idea is mentioned, most of them think of small trees and bushes in a garden,” he said.  Singapore is widely recognised for its green space, with a large number of big trees in the urban environment. Mr Taradon said the Singapore government realises the importance of big trees in the city to make it a sustainable green city.  Big trees need very good care when they are first planted. They have big roots that can store a quantity of water. They may need occasional care and maintenance when they branch out and threaten structural damage to properties.
 
Garden trees and ornamental plants are hugely popular in Thailand and they tend to get daily care — watering and trimming. When they are not well taken care of, they dry out and die. “The planting of big trees was a good move for Singapore to achieve the goal of becoming a sustainable green city,” Mr Taradon said, adding that Thailand needs to take the green city concept very seriously before it’s too late.  In his view, individuals whose houses have big trees should have priority to acquire knowledge and skills in big tree maintenance. “I’ve learned many families sell their houses which have big trees to real estate companies which want to develop a condominium — and the trees that have been kept for decades are cut down. That’s very regrettable,” Mr Taradon said.
 
Somneuk Janthanaporn, a Khlongsan district officer and who is attending the training programme, said staff at all Bangkok district offices who are responsible for the cutting down of trees are required to undergo training concerning tree maintenance.  However, the knowledge and skills they learn are not applied because of work overload.  “Every day we have to work with hundreds of trees, particularly those that branch out and get entangled with wires, as we need to protect people from fires that might occur. You can imagine how much work we handle. If we have to do every step of the job, we are not able to get our tasks done in time,” Mr Somneuk said.  Ms Oraya said Big Trees Project Group is using Somdet Chaopraya Institute of Psychiatry for the next operative training programme. “One important thing that we want to see is executives of the BMA and other government officers responsible for maintenance of trees getting the chance to take part in governmental policy covering the green city project,” she said.
 
The programme began on Tuesday with a lecture on “The life of a big tree”, delivered by national artist emeritus Prof Decha Boonkham, who has frequently castigates the BMA and the Metropolitan Electricity Authority for cutting down trees.  The first programme kicked off yesterday and runs to June 11. It is limited to 15 people and the fee is 3,000 baht.
 
in Bangkok Post, 10/05/2014 Supoj Wancharoen

http://m.bangkokpost.com/latestnews/409027

segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

Em Floração: MELALEUCA PREISSIANA


Plantas que não temos no nosso Jardim: THEOBROMA CACAO

 

Theobroma cacao significa "alimento dos deuses" e é o nome da planta que dá origem ao fruto que vulgarmente chamamos cacau. É da família Malvaceae e tem origem na América do Sul. Sem dúvida uma das plantas mais emblemáticas do mundo - e das mais importantes para todos aqueles que apreciam chocolate! Infelizmente não existe nenhum exemplar no nosso Jardim Botânico por falta de uma estufa de exibição com as condições adequadas ao crescimento desta planta. Foto: exemplar fotografado no Vietname.

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

In memoriam

In memoriam

Primeiro aniversário da morte de Alexandra Escudeiro.
Dia 15 de Agosto, na Igreja de S. João de Deus, com missa às 19.00 horas.


Até sempre Alexandra!

segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

«Faltam jardineiros para limpar Jardim Botânico»

O jardineiro Carlos Fazendeiro, 64 anos, é um dos dois funcionários do quadro no Jardim Botânico do Príncipe Real. Há também uma funcionária que faz a coordenação, mas não efectua trabalho de jardinagem.
Conta-se ainda quatro colaboradores, que ali chegaram através do Instituto de Emprego e Formação Profissional, por estarem desempregados, e que mudam todos os anos.
Porém, segundo o jardineiro e o diretor do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa, que gere o jardim, não chegam para efetuar a manutenção de uma área de quatro hectares onde estão espécimes vegetais vindas de várias partes do mundo.
“O problema maior é que o jardim não tem o aspeto que eu e todos os colegas gostaríamos, mas não conseguimos porque somos poucos e fazemos o que podemos”, lamentou Carlos Fazendeiro, em declarações à Lusa.
“Normalmente faço uma ou duas horas por dia a mais, que não são pagas, mas não me queixo. Gosto do que faço e às vezes sinto-me frustrado por chegar ao fim do dia, estar cansado e olhar para trás e ver pouca coisa feita”, acrescentou.
A situação está a levar à “falta de limpeza” do espaço, que nalguns casos pode levar à morte das plantas: “Se as infestantes não forem limpas a tempo, podem matá-las”, alertou o diretor do Em causa está o “problema orçamental global” e a “dificuldade de contratação de pessoas desde que começou a crise”, assente na “falta de oferta de condições [de trabalho] e na dificuldade de abrir concursos”, explicou o diretor do museu, José Pedro Dias.
Feitas as contas, seriam necessários três jardineiros nos quadros, que trabalhassem na terra e não efetuassem apenas tarefas de coordenação, e mais três colaboradores, especificou, falando em números “comedidos”.
Para manter o jardim são gastos cerca de 15 mil euros por mês, sete mil em água e oito mil nos salários dos funcionários, apontou o responsável. Enquanto estes últimos são pagos pelo dinheiro que é atribuído ao museu, que inclui também o jardim, a água é paga através das receitas das entradas no jardim (cada uma custa dois euros), que costumam aumentar “fortemente no verão” no caso dos visitantes individuais, referiu.
Durante os restantes meses, há atividades do serviço educativo que, apesar de serem importantes para os rendimentos, têm vindo a cair.
A situação no Jardim Botânico da Ajuda, pertencente ao Instituto Superior de Agronomia, da Universidade de Lisboa, é diferente. Numa resposta escrita enviada à Lusa, a direção do espaço indicou que “o jardim tem um número de jardineiros suficiente” para realizar a manutenção.
Nas alturas mais críticas, fazem falta “mais um a dois jardineiros”, acrescentou, explicando que as baixas são colmatas através da equipa de jardineiros da Tapada da Ajuda e de estagiários.
Já o Jardim Botânico Tropical de Belém “tem colmatado as suas necessidades de jardinagem, através de recursos próprios e da prestação de serviços por uma instituição particular de solidariedade social e isso é evidente no espaço”, referiu o Instituto de Investigação Científica Tropical, que gere o espaço, num esclarecimento solicitado pela Lusa, assegurando que “a manutenção do jardim não tem sido negligenciada”. in Lusa, 3 Agosto 2014

sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

As Árvores e a Cidade: "Bela Sombra" nos Anjos

A torre campanário da Igreja dos Anjos e uma Phytolacca dioica ("Bela Sombra") vista da Rua Luis Pinto Moitinho.

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

"Historietas do Jardim" por Cristina Girão



Obrigada amiga Cristina Girão não só pela visita guiada mas também pela oferta à LAJB do livro "Plantas Aromáticas de Portugal" que irá enriquecer a nossa humilde Biblioteca. 

"Historietas do Jardim" por Cristina Girão











Algumas imagens da interessantíssima visita guiada que a nossa associada Cristina Girão tão generosamente nos ofereceu. A visita decorreu na manhã de domingo, dia do aniversário do fundador do Jardim Botãnico, o Conde de Ficalho. A Cristina Girão é bióloga e tem o curso de guia do Jardim Botânico. Obrigada Cristina e até à próxima viagem!

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

LX GARDENS: apresentação dos resultados
















Apresentação dos Resultados do Projeto LX GARDENS - Jardins e Parques Históricos de Lisboa:

Estudo e inventário do património paisagístico.

Research Project funded by FCT PTDC/EAT-EAT/110826/2009   

29 de Julho de 2014 às 14h00 na Sala de Atos  
Instituto Superior de Agronomia  - Tapada da Ajuda - Lisboa

terça-feira, 22 de Julho de 2014

Dia do Fundador: Visita guiada ao Jardim Botânico no dia 27 de Julho às 10H30
















Estimadas/os associadas/os   

A Liga dos Amigos do Jardim Botânico vai organizar uma visita guiada para os seus associados no dia 27 de Julho (domingo) às 10H30M, data do nascimento do Conde de Ficalho, fundador do Jardim Botânico que nasceu a 27 de Julho de 1837.  

A visita será guiada pela nossa associada, a bióloga Cristina Girão.    
O tema da visita guiada: "Historietas do Jardim"   

Saudações botânicas   

P' Direcção  

Manuela Correia     

VISITA GUIADA AO JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA   

Data - 27 de Julho - 10h30m   
Tema da Visita - "Historietas do Jardim"   
Guia da Visita - Cristina Girão   
Inscrições - amigosdobotanico@gmail.com; TM: 962112171   
Número de participantes - 30 pessoas   
Local do encontro - Bilheteira do Jardim Botânico. 

Foto: Acacia karroo em floração na Classe

domingo, 20 de Julho de 2014

Amigos do Jardim Botânico: Os voluntários!





Os canteiros 30-B, 25-B e 18-B livres de infestantes e limpos graças aos nossos 11 voluntários: Fátima Moura, Isabel Pereira, Catarina Abrantes, Margarida Bom, Graça Lopes, Gustavo Baptista, Carlos Carrilho, Luís Leitão, Fernando Jorge, Manuela Correia e a curadora do Jardim Botânico, Teresa Antunes. A todos muito obrigado pela generosa oferta da manhã de domingo para cuidar do Jardim Botânico!

Amigos do Jardim Botânico: Dia de Voluntariado!


























Amigos do Jardim Botânico: Dia de voluntariado!



















Entre as 10H e as 14H de hoje decorreu com sucesso mais uma acção de voluntariado da LAJB no Jardim Botânico. Uma equipa de 11 voluntários exaustivamente arrancou, removeu e armazenou em contentores os rebentos de Choupo Branco, entre outras plantas infestantes, que estavam nos canteiros 18-B e 25-B do Arboreto. A companhia mágica das plantas, o tempo fresco, a banda sonora dos pássaros e dos sinos das igrejas que se ouvia ao longe, tudo contribuiu para a experiência especial e única que é estar a cuidar fisicamente do Jardim Botânico. Todos ficaram satisfeitos por humildemente ajudarem na manutenção do Jardim. Se também está interessado em ajudar, consulte o nosso blogue & facebook porque em breve anunciaremos novas acções de voluntariado. Com a recente perda do último jardineiro do quadro, o Jardim Botânico precisa mais do que nunca de amigos para travar a degradação do seu estado de conservação.

Nota: o trabalho voluntário não pode substituir as obrigações do Estado face à manutenção de um Monumento Nacional como é este espaço verde de Lisboa.

Fotos: Canteiros 18-B e 25-B antes do início dos trabalhos